Adeus, AMAN!

Adeus, AMAN!

“Adeus, AMAN! Eu vou partir, para bem longe daqui,
e lá de onde eu estiver, estarei pensando em ti…”

Turma “70 Anos da Vitória da Força Expedicionária Brasileira”,

O ano era 2015. Eu era aluna do Estágio para Correspondentes de Assuntos Militares (ECAM). Estávamos no 28º Batalhão de Infantaria Leve (28º BIL). Era dia de executar atividades inerentes da rotina militar e, assim, conhecer mais sobre a força terrestre. Como de costume, eu sempre andava com a minha câmera, atenta, em busca de uma história.

De longe, vi um pelotão. Naquela época, eu ainda não sabia o que era um pelotão. Mas eu estava aprendendo, disposta a ir além em um assunto até então desconhecido para mim. Sozinha, resolvi me aproximar. Não demorou muito para eu perceber que vocês estavam cansados. Exaustos, para falar a verdade.

– O que levam vocês a fazer isso? – Perguntei a mim mesma.

Sem compreender muita coisa, eu fiz uma foto:

Aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), durante o Exercício de Longa Duração (EDL), uma das atividades que compõem o ano letivo da escola preparatória. | 28º Batalhão de Infantaria Leve, Campinas, 2015.

Foi essa imagem que me levou a pensar sobre a carreira do oficial combatente do Exército Brasileiro. A partir de então, percebi quanta coisa eu desconhecia a respeito da força terrestre do meu próprio país.

Por que eles são como são? Por que eles fazem o que fazem? O que os une?

As respostas dessas perguntas eu procurei no ano seguinte, em 2016, quando me apresentei voluntariamente na Escola Preparatória, com uma câmera no pescoço e um projeto inteiro na minha cabeça. Naquele ano, nascia o Laços de Honra, e também uma nova turma chegava na casa rosada. Era a turma “150 anos da Campanha da Tríplice Aliança”, a qual eu acompanho até hoje, e que vai se formar em 2020.

Felizmente, em outubro deste ano, na AMAN, reencontrei a pessoa que fotografei em Campinas, ainda quando era aluno. Pude fotografá-lo novamente. Mas, desta vez, com um melhor entendimento sobre o que eu estava registrando:

Minutos antes de escolher a primeira unidade que irá servir após a AMAN.

Meus amigos, cinco anos não são cinco dias.

Aos 414 Aspirantes da turma “70 Anos da Vitória da Força Expedicionária Brasileira”: vocês também fazem parte dessa história. Eu vi vocês crescendo. Desejo-lhes muito sucesso nesta nova etapa. A missão só está começando.

Laços de Honra – O outro lado do Exército é um projeto fotográfico que retrata a formação do oficial combatente do Exército Brasileiro. A série fotográfica contempla quatro escolas da linha de ensino militar bélico: a Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e a Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *