DocumentalFotografia e História

Da adaptação ao “banho especial”: as futuras oficiais combatentes chegam na AMAN

As futuras oficiais combatentes da Turma “Dona Rosa da Fonseca – Patrono da Família Militar” chegaram na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). Durante duas semanas, a turma passou por um processo de adaptação à rotina da academia. Dos 416 alunos oriundos da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), 34 são mulheres. Além disso, mais dez alunos vieram de nações amigas – a exemplo da Arábia Saudita, Senegal, Guiana, Vietnã, Paraguai e Timor Leste.

A partir desse ano, a turma começa a cursar o Curso Básico, como é denominado o primeiro ano na AMAN. Para receber as primeiras cadetes, uma série de adaptações foram feitas na maior academia militar da América Latina, desde a reforma dos alojamentos até a capacitação de oficiais instrutoras, as quais foram instruídas essencialmente para essa nobre missão.

Neste ensaio fotográfico, você verá alguns momentos do período de nivelamento – como é conhecido a semana de adaptação – até o momento da aposição do brasão da Academia, que ocorre no “Banho Especial”, ritual de passagem onde o aluno da EsPCEx torna-se cadete da AMAN.

I. O nivelamento

Ano novo, casa nova: o nivelamento é o período onde os alunos da EsPCEx começam a se adaptar à nova instituição, a Academia Militar das Agulhas Negras, onde passarão os próximos quatro anos da formação. As atividades, no entanto, são intensas: começam de manhã e terminam apenas no final da noite.

Alunos durante instrução de ordem unida, no Pátio Tenente Moura, na AMAN.

Há um longo caminho a ser percorrido. No momento da foto, os alunos realizavam instrução de ordem unida.

Os alunos também passam por instruções teóricas, com o objetivo de se familiarizarem com alguns conceitos e equipamentos que utilizarão durante o ano.
Tenente Isis escrevendo um relatório médico sobre os cadetes da 2ª Companhia. O trabalho do oficial instrutor é essencial para que os futuros combatentes sejam bem instruídos e supervisionados durante a formação.

II. A hora do banho especial

Às 05h40, o som dos apitos serviu como um aviso de que o dia começaria diferente. Era o dia do banho especial. Considerado um ritual de passagem, o “Banhesp” marca o momento em que o aluno torna-se, então, cadete da Academia Militar.

Aluna preparando-se para o banho especial
Alunos se reúnem no pátio para realizar aquecimento
Esse é o momento em que os alunos partem para o banho especial. Todos os oficiais combatentes da AMAN passaram por esse ritual.

III. A formatura de aposição dos brasões

A passagem marca o final do período de nivelamento. É hora de receber, finalmente, os brasões da AMAN.

“Eu aceitei o convite da AMAN pelo grande desafio que seria exercer a função de Instrutora do Curso Básico, oportunidade inédita na Academia. Tal função seria ainda mais honrosa por contribuir com a formação das primeiras mulheres da linha militar bélica do Exército Brasileiro”, afirma a Tenente Laryssa, oficial instrutora da AMAN.

Capitão Jussara, uma das primeiras oficiais instrutoras da AMAN

Primeiro, os destaques de companhia recebem os brasões. Na foto, a Cadete Valquiria, da 4ª Companhia, recebe o brasão das mãos de um oficial
Cadete Valquíria, uma das 34 mulheres que chegaram na AMAN
Tenente Isis coloca o brasão da Academia em um cadete

Além dos oficiais instrutores, os cadetes mais velhos também apoiam algumas tarefas do período de adaptação. Na foto, a cadete do primeiro ano se apresenta ao cadete do quarto ano.

O banho de mangueira marca o final do ritual de passagem.

Laços de Honra – O outro lado do Exército é um projeto fotográfico que retrata a formação do oficial combatente do Exército Brasileiro. A série fotográfica contempla as quatro escolas de formação militar: a Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e a Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME).

53 thoughts on “Da adaptação ao “banho especial”: as futuras oficiais combatentes chegam na AMAN

  1. Que show tuas fotos. excelente trabalho sou teu fã.
    Moises Lopes de São Gabriel-RS
    meu sobrinho esta ai na AMAN é Cadete 7059 Carlos esta no segundo ano
    acompanho todas tuas postagens PARABÉNS PELO BELO TRABALHO

  2. Suas fotos são absolutamente maravilhosas. Eu, como candidata que sonha com a EsPCEx e com a AMAN, claro, não consegui fazer nada além de chorar demais vendo seu post. Obrigada por isso.

  3. “23 Anos depois!”, vejo que a AMAN não mudou nada, seja para as mulheres e homes, no que diz respeito às Tradições e Simbolismos, que podem parecer piégas aos leigos e civis, porém são esses braves momentos que muitas características são incorporadas pelos futuros Oficiais. Muitos momentos mais virão! Difíceis a cada dia que passa, mas todos plenamente transponíveis! Meus “parabéns” a todos Cadetes dessa nova turma, o Sangue Novo, e muita dedicação e “Fé na missão” para as Instrutoras, que estão tendo a oportunidade de viver intensamente, ao mesmo tempo, a vida Academica! Brasil Acima de Tudo!
    Maj CASTELANI (Cad 1179 – 1994/1998)

  4. Parabéns, emocionou o coração de um velho infante que ainda vibra muito com a nossa AMAN.
    Quando tive oportunidade votei a favor da inclusão do segmento feminino na força. Ok 3

  5. Que show! Parabéns pelo belo trabalho. Fiquei emocionado com o sentimento que as fotos passaram e me levaram a fevereiro de 1972, quando lá cheguei oriundo do meio civil. Cel R/1 Cavasotti.

  6. Que show! Parabéns pelo belo trabalho! Fiquei emocionado com o sentimento que as fotos passaram levando-me a fevereiro de 1972, quando lá cheguei oriundo do meio civil. Cel R/1 CAVASOTTI.

  7. Q coisa maravilhosa de ver! Trabalho fotográfico maravilhoso! Não tive a chance de ser militar quando era adolescente e hoje me realizo vendo essas meninas. Bem que eu queria ser 10 anos mais nova para ir para a AMAN, mas, o jeito é seguir pra EsFCEX. É lindo ver a evolução das FA e a integração com a sociedade… Parabéns a todas que se esforçaram e aos que fazem parte desse contexto! Braço forte e mão amiga!

  8. Peço alguém para refrescar minha memória, mas não lembro desse “Banhesp”. Cheguei na AMAN em 73 e o simbolismo foi a entrada pelo Portão de Entrada dos Novos Cadetes.

  9. Emocionante! As fotos estão lindas, principalmente pela mensagem que eles transmitem de vibração e amor à inesquecível AMAN e ao Brasil. “Academia Militar, heróis a lutar, por um Brasil maior … “

  10. Parabéns, Paula. Seu trabalho é fantastico e inédito. Suas fotos retratam a essência do que é ser cadete das Agulhas Negras.
    Cel Avila – Ch Div Ens / AMAN

  11. Magnífico trabalho Paula, mostrando a força que existe dentro de cada jovem que renuncia à letargia da vida civil e se dedica de corpo e alma à Pátria Mãe Brasil. Muito
    Obrigado pela sua delicada dedicação profissional que nos trouxe essa rara experiência. Muito Obrigado ao Comando Militar, que autorizou essa empreitada tão bem sucedida.

  12. Sou oficial R/1 oriundo da ESA – Três Corações – Combatente da Arma Comunicações, apesar de não ter cursado esse nobre instituição de ensino, ao longo de minha carreira convivi com diversos oficiais oriundo da AMAN. A unica vez que pisei nesse solo sagrado foi acompanhando uma delegação do Exército Português. Muitos de meus amigos de formação servirão na Academia, como ainda, há alguns, que mesmo na reserva ainda prestam serviços como PTTC. Fico feliz em saber que em breve teremos a Primeira Turma de Oficiais Combatentes do Corpo Feminino, numa demonstração que nosso Exército está em sintonia com outros Exércitos mundo afora, que há muito tempo possuem em seus quadros mulheres combatentes. Parabéns AMAN e EXÉRCITO BRASILEIRO. BRAÇO FORTE MÃO AMIGA!

  13. No dia 12 de fevereiro de 1968, 50 anos atrás, a minha Turma, Turma Marechal Castelo Branco, passava pelo portão dos novos Cadetes. O tempo passa, mas a emoção e o orgulho são os mesmos. Parabéns aos novos e novas Cadetes, parabéns pela cobertura. Cel R/1 ROBSON Cruz

  14. Imagens perfeitas, parabéns! Um trabalho inédito na nossa Real Academia Militar, que retrata o dia-a-dia dos nossos cadetes; e que agora um importante desafio: preparar, também, futuras oficiais combatentes de carreira do nosso EB, com o mesmo profissionalismo e padrão elevados q temos visto até hoje !

  15. Só lamento o tempo enorme q levou para quebrar paradigmas e permitir a entrada feminina na área bélica. Desde a década de 90 que se fala nisso, e o preconceito segurou este momento por 20 anos. Vivenciei a entrada da primeira turma de mulheres na area de saude, no QCO e no QEM e a importância desse convivio para o modelo atual de sociedade. Pronto! Agora só falta a igreja católica.
    Garrido – cap res n rem- QEM/96

  16. Tive orgulho em habitar esta casa, de ostentar o sabre de Caxias e conheço bem a rotina da AMAN. Que sua carreira seja brilhante e seja, assim como os e as demais, “esperança de um Brasil inteligente, liderança do continente”.

  17. Orgulhoso de ver nossa casa de formação dando continuidade no seu trabalho, agregando valores femininos. Tive o privilégio de servir no Corpo de Cadetes por duas vezes como instrutor e instrutor chefe da Seção de Educação Física. Muito honrado fico junto com a minha equipe da época de dar início aos trabalhos da parte física para estas atuais combatentes. Tempo bom e já se foram 20 anos. Ad Sumus. Cel Duailibe

  18. Parabéns a todos: da repórter ao Cadete mais moderno da Turma Dona Rosa da Fonseca. A emoção que eles viveram nesses momentos iniciais da carreira combatente do Exército foi transmitida totalmente pelas imagens. Deu vontade de voltar a viver esses dias, junto com essa juventude vibrante que nos permite acreditar em um Brasil melhor! Selva!

  19. Muito vibrante ver esta nova turma que chega na AMAN. Ainda lembro, com emoção e saudade, dos tempos vividos na nossa Academia. Parabéns aos novos cadetes e instrutores, com o desejo de sucesso em todas as atividades na formação do futuro oficial! Brasil, acima de tudo!

  20. Ter passado por essa briosa Academia colabora com as decisões que tomo até hoje, além de me lembrar sempre que meu esforço e dedicação são sempre mais fortes com o apoio de companheiros de turma. Essas fotos me trazem à memória lembranças de uma época especial! Parabéns pelo trabalho !

  21. Parabéns pelas fotos e pela atitude das guerreiras, já desde a inscrição no concurso da ESPCEX, até chegarem a este tão significativo ritual de passagem! Que os próximos anos de formação na AMAN sejam de bravura, pois bravura é o sobrenome de cada uma de vocês! Que cada um (a) dê o melhor de si em qualquer que seja a missão! Que o espírito do combatente seja realmente incorporado! E que o grito que ecoe mais alto seja: “BRASIL, ACIMA DE TUDO!!

  22. Sou Cel Eng Ref, da turma de 1957 da AMAN, Oswaldo A.B. de MENEZES Jr. Sessenta anos após o memorável dia da formatura do Aspirantado, ainda recordo, emocionado, o tempo em que fiz parte daquela plêiade de jovens brasileiros abençoados com a oportunidade de ser um CADETE daquele templo de ensino e brasilidade.

  23. Sou da Turma FEB de
    1970. Vieram lágrimas nos olhos ao olhar estas fotos, traduzindo um novo momento para as FFAAs. Desejo muita sorte para estas 34 bravas cadetes e que todas, juntas com os outros bravos cadetes, concluam, com sucesso e brilhantismo esta nova fase de suas vidas. Parabéns!!!!!

  24. Saudades deste eterno cadete, que felicita e deseja a todos, que estão iniciando a nobre profissão militar , sucesso em suas missões futuras. Parabéns a fotojornalista Paula Mariane, pelo excelente trabalho. Cel Inf QEMA Alédio P. Fernandes ( Turma Nações Unidas –
    AMAN 1964 ) .

  25. Saudades deste eterno cadete, que felicita e deseja a todos, que estão iniciando a nobre profissão militar , sucesso em suas missões futuras. Parabéns a fotojornalista Paula Mariane, pelo excelente trabalho. Cel Inf QEMA Alédio P. Fernandes ( Turma Nações Unidas –
    AMAN 1964 ) .

  26. Eu fui preconceituosa em relação aos militares, a Aman e a todo esse mundo, por alguns anos em minha vida. Até que em função do meu trabalho como Guia de Turismo local e moradora da região tive que conhecer a Aman e conduzir visitantes por lá. Paralelamente conheci cadetes, conheci militares sensacionais, das mais diversas patentes, que muito me ensinaram e se tornaram meus amigos pessoais e defensores das mesmas causas que propago ( conservação ambiental e desenvolvimento do turismo). Hoje, tenho muito orgulho de ser uma divulgadora da Aman e reconheço a importância dessa instituição para a região e para o país.

    1. Parabéns pelo ato de reconhecimento do valor desta instituição, AMAN, e que seja reconhecido também o trabalho dos militares brasileiros em geral; desde à defesa do Meio Ambiente, até construções de pontes, estradas de grande porte, aeroportos etc. (para uso predominantemente civil); passando por atendimentos médicos e odontológicos a populações indígenas, e ribeirinhas em locais de difícil acesso amazonenses, realizados por homens e mulheres brasileiros (as) que vestem com todo o prazer e bravura os uniformes das Forças Armadas, e que não hesitam em cumprir as mais variadas missões, na construção de um Brasil mais forte. Mesmo quando, na grande maioria das vezes, não recebem o merecido reconhecimento da população civil, nem mesmo apoio governamental. Brasil acima de tudoo!!!

  27. Esse nosso Exército é simplesmente EXEMPLAR, tenho muito orgulho de ter servido ao nosso glorioso BRASIL e agora com o tempero feminino vai ficar ainda Melhor.

    PARABÉNS A TODOS!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *