Sem categoria

A última SIEsp: as múltiplas faces do Estágio de Operações contra Forças Irregulares

Na paz ou na guerra sempre há
Um comandos preparado para lutar!
Se a pátria lhe pedir, está pronto para partir
Não importa o lugar!
Na selva, na montanha ou no mar
Onde seja necessário atuar
Surge do céu seu braço forte
Se preciso enfrenta a morte
Sua estrela há de brilhar!

(Trecho da Canção dos Comandos)

Da montanha para a selva

Desde o primeiro ano da AMAN, os cadetes realizam estágios que têm por objetivo desenvolver habilidades e avaliar o desempenho dos futuros oficiais combatentes. Estas instruções, por sua vez, são ministradas pela Seção de Instrução Especial (SIEsp), a qual é composta por uma equipe apta para atuar nos mais variados ambientes de conflito, seja no frio das regiões montanhosas, seja no calor úmido da selva. As missões se assemelham ao combate real: ou seja, há um nível muito maior de dificuldade se comparado com as demais instruções militares.

Para os cadetes do primeiro ano, a Seção ministra o Estágio Básico do Combatente de Montanha; já os cadetes do segundo ano realizam o Estágio de Vida na Selva e Técnicas Especiais. Para o terceiro ano, a equipe realiza o Estágio de Patrulhas de Longo Alcance com Características Especiais; para o quarto ano, é ministrado o Estágio de Operações contra Forças Irregulares.

A minha visão

O quarto ano da Academia Militar das Agulhas Negras chega e os cadetes estão a um passo de se tornarem aspirantes. Aquele futuro, outrora tão distante, está próximo de se concretizar – no entanto, é preciso trilhar este caminho sem pular nenhuma etapa. Ainda é necessário passar por provações e desafios: a última SIEsp vai começar. Preparo a minha câmera; o colete, o capacete e o coturno me aguardam – e eu, como uma fotógrafa fiel, estou disposta a enfrentar esta última etapa com os irmãos que a caserna me deu. Desta vez, a ansiedade não é a minha única companheira.

Você tem certeza que está fotografando o melhor lado do Exército? ” – Pergunta um cadete. Reflito e em seguida respondo: sim.

Não são momentos fáceis. No entanto, acredito fortemente que a escassez e a dificuldade forjam as pessoas, e, com isso, elas tornam-se mais fortes. Geralmente quem está do outro lado desconhece o que aquela pessoa precisou enfrentar para estar ali, naquela formatura, com o uniforme de gala azul ferrete*. Quando o estagiário me questionou a respeito do meu trabalho, lembrei da minha própria trajetória: eu nunca tive o melhor equipamento. Não tive acesso a cursos pagos de fotografia. Mas estudei e fiz do meu simples equipamento a melhor câmera do mundo – através dos meus olhos, busquei captar a essência de todas as situações que presenciei. Da mesma forma, por trás do uniforme de gala, há uma pessoa que passou dias sem dormir direito, carregando mochila pesada e suportando muita pressão psicológica. Só quem passou sabe como é.

Fotografar a SIEsp, portanto, é uma honra para mim. Estou sim, fotografando o melhor lado de cada um, pois é aqui que nós somos forjados: na dificuldade, nos extremos e na escassez. Apesar de todas essas dificuldades, o companheirismo e o espírito de corpo é o que nos mantém dispostos a seguir em frente.

E assim nós sobrevivemos cada dia: caminhando um passo de cada vez.

*Traje utilizado pelos cadetes em ocasiões especiais.

O planejamento e a preparação dos meios para ordem à patrulha

“A guerra é de importância decisiva para o Estado. […] Ela é determinada por cinco fatores, os quais nós temos de tomar em consideração em nossas reflexões se quisermos avaliar corretamente a situação no campo de batalha: Direito moral, céu, terra, condução e método. O Direito moral leva os soldados a seguir incondicionalmente seus superiores e nisto não temer qualquer perigo. Céu significa dia e noite, calor e frio, tempo e estação. Terra significa proximidade e distância, perigo e segurança, estreiteza e amplidão, vida e morte. Condução significa sabedoria, sinceridade, benquerência, coragem e rigor. Método abrange a estruturação hierárquica do exército, o sustento das linhas de reforço e o controle dos gastos militares.”

(Trecho do livro “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu)

Antes de partirem para a missão, todo planejamento é necessário para que as ações sejam executadas com êxito. Na foto, estagiários se preparam na Base Saci, em Quatis, interior do Estado do Rio de Janeiro.

Operação de Busca e Apreensão

O estágio começa. Há muito o que fazer. Neste momento, nos dirigimos ao local da operação.
Curiosidade: um senhor para na linha do trem para ver o cadete passar. O movimento da tropa desperta a atenção dos moradores locais, que olham admirados para os futuros oficiais combatentes.
Os estagiários chegam no ponto de ação. A Operação de Busca e Apreensão é uma das instruções militares realizadas pelos cadetes nesta SIEsp.
A Operação de Busca e Apreensão é finalizada com sucesso. Todas as atividades feitas na SIEsp se assemelham ao combate real.

Patrulhamento Ostensivo

“O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte. E quem não tem medo da morte possui tudo.”

(Trecho do livro “Guerra e Paz”, de Leon Tolstoi)

Garoto anda tranquilamente de bicicleta, enquanto os militares fazem o patrulhamento ostensivo, em Quatis – RJ.

Patrulhamento Motorizado e Escolta de Comboio

Antes de partir para o deslocamento motorizado, a tropa é inspecionada. Desta vez, a atividade será noturna.

Começa a esfriar. Ainda estamos no começo da semana.

Estagiário durante a escolta de comboio, em uma noite fria na cidade de Quatis. A missão está apenas começando.

Um dia na base Saci

“Segundo a compreensão dos antigos, um combatente sagaz alcança suas vitórias com facilidade. Por conseguinte, suas vitórias não lhe trazem a fama nem de sabedoria nem de coragem. Ele ganha suas batalhas evitando erros. Uma vez que ele evite erros, a vitória lhe está assegurada, pois o inimigo já está de antemão derrotado.”

(Trecho do livro “A Arte da Guerra, de Sun Tzu)

Um novo dia começa, e as atividades se iniciam na parte da manhã.
Após a realização do planejamento da missão, os estagiários se deslocam até o ponto que deverão ficar durante o dia.

Na foto, cadete se prepara para atuar na segurança da Base Saci. A MAG é uma metralhadora de origem belga, com alcance útil de 1.800 metros. Utilizada pelas Forças Armadas brasileiras, é capaz de realizar até mil disparos por minuto.

Estagiários na segurança da Base Saci, durante o Estágio de Operações contra Forças Irregulares.
O espírito de corpo militar é forjado nestes momentos. Longe da família e dos amigos, a companhia que temos é dos nossos irmãos de farda.

Um imprevisto acontece. Os estagiários se reúnem para fortalecer a segurança da Base Saci.

São nos momentos de dificuldades que nos fortalecemos. Esse é o aprendizado que eu e os irmãos da caserna levaremos para o resto de nossas vidas. E com esperança, a última luz da SIEsp renova as nossas energias.

Laços de Honra – O outro lado do Exército é um projeto fotográfico que retrata a formação do oficial combatente do Exército Brasileiro. A série fotográfica contempla as quatro escolas de formação militar: a Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e a Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME).

www.paulamariane.com.br/blog

99 thoughts on “A última SIEsp: as múltiplas faces do Estágio de Operações contra Forças Irregulares

  1. Paula, parabéns por seu trabalho. Sei das dificuldades de cobrir as operações militares, entretanto, sua vontade as fizeram pequenas. Excepcional trabalho!

  2. Excelente trabalho, ficou muito show. Sua lindas palavras mostra o verdadeiro espírito de Camaradagem e de comprimento do dever, existente na caserna. Parabéns pelo trabalho…

  3. Excelente trabalho realizado pelos cadetes da AMAN. Com a supervisão da academia o aprendizado será cada vez mais eficiente.

  4. Trilhei meu caminho na AMAN no período de 1993 a 1996 e nestes 4 anos vivenciei cada uma destas SIEsp’s. Ler o seu artigo me fez voltar no tempo e vibrar com duas situações. A primeira, as atividades alí vividas como cadete em cada um dos estágios e a segunda, de saber como os processos evoluíram desde então.
    Parabéns pelo trabalho, parabéns pelo seu texto vibrante. Sucesso em sua jornada.

  5. Muito admirado por seu empenho em se dedicar ao relato de uma significante etapa da formação dos militares integrantes de uma das poucas instituicões que mantém seus valores firmes, que dão sustentabilidade à ordem e a democracia no Brasil, o Exército Brasileiro. Poucos são os reconhecimentos, mas não é por isso que lutamos, e, ainda assim, a missão sempre será cumprida em prol do bem da nação.

    Quanto a você, fico feliz de perceber que vc incutiu a real essência de nossas atividades, é na dificuldade que forjamos o nosso caráter, assim como o aço, quanto mais forte e intenso o fogo em que ele é feito, assim ele também será, Não se lapida uma pedra preciosa com suaves golpes.

    Parabéns por seu trabalho que muito retrata nosso dia a dia, buscando sempre melhor nos preparar pra em melhor condições servir ao Brasil e à sociedade brasileira, estando sempre prontos para manter a ordem interna e proteger nossos territórios, limites e fronteiras das possíveis ameaças que possam vir a surgir com interesse em nosso rico e fértil solo.

    Brasil acima de tudo!

    Cad Pastor

  6. Parabéns pelo excelente trabalho!
    Com muita sensibilidade, captou-se a essência do Cadete de Caxias, no contexto das Operações Especiais!

  7. Máquina do tempo
    Parabéns, Mariane!
    Quando acabei de rolar as páginas da sua matéria no celular, tinha voltado no tempo 40 anos!!!
    Muito obrigado pelas recordações!

  8. Show de fotos!!! Você fez jus à grande oportunidade que poucos fotógrafos têm…. as fotos, além de qualidade técnica elevada, transmitem a força e o sentimento dos fotografados!! Parabéns!!

  9. Parabéns, Paula, pelo sublime trabalho. A redação cuidadosa combinou perfeitamente com o primor das fotos, dignas de documentário padrão National Geografic.

  10. Parabéns pela matéria e pelas brilhantes fotos. Precisamos de mais pessoas com espírito de civismo e que tenham a intenção de mostrar o real valor de homens raros que defendem a sua nação com o sacrifício da própria vida, se for preciso.

  11. Sou Major de Cavalaria e participei do estágio em 1998. Momentos difíceis, de superação e muita força de vontade. Parabenizo-te pela excelência do trabalho. Nossas portas sempre estarão abertas para iniciativas como a tua, que engrandecem cada vez mais nossa Força.
    Brasil acima de tudo!

  12. Que espetáculo. Parabéns! Este espírito guerreiro representa o quanto bravo são nossos heróis.Emocionada com a participação do meu sobrinho nesta caminhada.Orgulho.

  13. Prezada Paula Marine
    Parabéns pelo belíssimo trabalho e obrigado por retratar com tamanha poesia e respeito às atividades dos nossos cadetes.
    Brasil!

  14. Parabéns Paula!!!! Faz vinte anos que saí pelos portões da academia e, olhando suas fotos, sinto como se ainda estivesse lá…..com a mesma vibração e espírito de cumprimento de missão! 0701 purinho!

  15. Excelente o documentário, mostrando como a AMAN desenvolve toda a estratégia de formação dos oficias de carreira do EB. Por isso, a academia e um centro de excelência e llapidação de valores patrióticos e, de companheirismo…

  16. B Noite. Parabéns pelo excelente trabalho fotográfico. Poderia por gentileza, tirar uma dúvida? Qual a relação do conteúdo dessa matéria, principalmente o fotográfico, com a canção dos Comandos? Grato.

    1. Olá Cristiano Matos, a equipe da SIEsp é composta por monitores e instrutores que possuem o curso de Ações de Comandos, Operações na Selva, Forças Especiais, entre outros. É na Seção de Instrução Especial que essa equipe competente consegue transmitir um pouco deste vasto mundo operacional, proporcionando uma vivência incrível, aos cadetes da AMAN. Escolhi um trecho da Canção dos Comandos, pois acredito que ele retrata também um pouco da natureza da SIEsp. Os instrutores proporcionam aos cadetes situações que não seriam vividas em um campo de instrução militar comum, desde o estágio da montanha até o estágio da selva. Espero que tenha respondido a sua dúvida. Obrigada por acompanhar o meu trabalho!

  17. Excelente matéria naqual relata com extrema precisão a formação especial de combate do futuro oficial do Exército Brasileiro.

  18. Trabalho Fantástico! Participei desses estágios há 40 anos. Suas fotos me levaram imediatamente à cada momento de sofrimento, sacrifício, medo, superação, aprendizado e vitória!
    Agrdeço aos meus saudosos instrutores, aos meus colegas cadetes, à AMAN, ao EB e, agora, Paula Mariane, por me despertarem tanta convicção para dizer: VALEU A PENA!

  19. Excelente trabalho ! Agradeço o esforço em estar conosco para poder passar ao seu público a sua visão sobre o que nós fazemos. Sucesso em sua carreira !

  20. Excelente matéria! O nosso país precisa saber como são forjados os Oficiais do Exército Brasileiro. Me orgulho de ter sido forjado na AMAN.

  21. Excelente texto
    Tenho conhecimento e participo da vida dos irmãos de farda
    Venho de uma família verde oliva
    Sou fã incondicional
    Admiro e respeito
    Tenho orgulho
    Parabéns pelo texto
    As fotos em preto e branco são especiais
    Elas nos fazem refletir melhor nesse mundo onde as cores andam se perdendo
    Um abraço
    Giovana Barbosa
    Jornalista
    Servidora do tribunal eleitoral do Paraná

  22. Parabéns a essa jovem fotógrafa pelo trabalho realizado. Soube captar a essência do que é a preparação do jovem oficial do Exército de Caxias.

  23. Estágio sensacional para futuros oficiais. Tendo filho e sobrinhos militares já passei por tudo isso. É através destas atividades de formação profissional que se forjam os bravos combatentes. Excelente reportagem e fotos.

  24. Motivação é tudo! O treinamento aplicado pela equipe da SIEsp tira o militar de sua “zona de conforto” e confere a ele uma pequena demonstração da realidade do combate. No futuro, essa motivação o levará aos cursos de especialização onde, aí sim, ele se tornará um combatente apto a todo tipo de ambiente operacional.

  25. É gratificante vermos estas fotos, mesmo para quem já viveu experiencia semelhante, pois nossos filhos passam por aventuras e desafios que muitos pais não imaginam e saem fortalecidos e determinados, um espírito de corpo e vibração gigante, o que faz com que nossos oficiais sejam preparados para comandar e serem respeitados. Obrigado por estas fotos!

  26. Muito bom rever matéria sobre tão nobre e honrada unidade da AMAN que prepara nossos cadetes para novos desafios. As patrulhas na Aisp, o treinamento com embarcação na antiga fazenda Bahia, a parte de montanha no pico e a fuga e evasão na cidade de Bananal na Serra da bocaina. Brasi acima de tudo.
    Passei pela Siosp em 83 no comando do então Tenente Coronel Gabriel. E o eterno sub Arquimedes todo Operacional a quem agradeço mto pelos ensinamentos.
    Bons e velhos tempos.

  27. Me arrepiei pelo instantâneo orgulho de civismo e patriotisma que essa Arma nos dá . Parabéns a todos , do mais humilde ao mais graduado . Fico honrado , apesar de não ter feito parte desta Escola , por ter meu tio avô , que sim ; saiu , foi a guerra , voltou , deu aulas para o Sr Gen. Ernesto Geisel e outro que não mais recordo . O tempo é implacável a todos . Seu nome : Virginio Gama Lobo .

  28. Parabéns pelo trabalho. Com lágrimas nos olhos, lembrei dos momentos vividos nas 4 SIEsp. Da morte do Cad La Poente, passando pela montanha (Cruzeiro e Prateleiras), Ribeirinha e Fuga e evasão. Trilhos velhos conhecidos…

  29. Parabéns Paula, excelentes fotografias, excelente texto. ” Pago dez” para você, se é que você me entende.
    Continência de um velho coronel de Infantaria.

  30. Parabéns Paula pela iniciativa, porque quando vêem jovens tenentes nos batalhões, não imaginam tudo que esses jovens passam por anos pra chegar até lá!

  31. Parabéns Paula, pelo excepcional trabalho que mostra de forma singular as atividades da nossa estrutura formadora da nossa Força Terrestre. Visto essa farda e tenho muito orgulho de pertencer a essa secular e importante instituição brasileira. Obrigado por apresentar artísticamente o Exército Brasileiro.

  32. Fui instrutor da SIEsp em 76 e 77. Vibrei com sua reportagem, me lembrei do tempo de cadete E de instrutor, parabéns grande abc e meu reconhecimento a sua reportagem

  33. Excelente trabalho, Paula! Cursei a AMAN nos anos de 82 a 85 e fiz as 4 SIEsp: montanha, selva, fuga e evasão e contraguerrilha. As fotos me fizeram reviver aqueles bons tempos de vibração, superação, camaradagem e vitória. Deu saudades!

  34. Excelente trabalho! Com belas fotos e textos muito bem colocados vc soube retratar com brilho o cerne da atividade. E despertar lembranças em quem já viveu essa experiência. Parabéns!

  35. Parabéns Paula. Excelente matéria. Emocionante. Vivi essa emoções há mais de 40 anos. Acho que deve voltar lá no ano que vem e fazer a cobertura das mulheres em seu primeiro ano na AMAN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *